Diaconado e Diaconia

O que significa Diaconado?
Para compreender a importância do diaconado permanente e de sua missão na Igreja e na sociedade, devemos primeiramente entender epistemologicamente a palavra diaconado. Tal palavra é derivada da ramificação diaconia, sua origem vem do termo grego diakonia. Diakonia tem um sentido de serviço, principalmente referindo-se ao serviço dos criados ou dos escravos que servem a mesa dos homens livres. Portanto, este termo dentro da cultura grega possui um sentido pejorativo ou de inferioridade. Pois refere-se ao serviço realizado por escravos. Tais serviços não podem ser executados por “homens livres” dentro da sociedade grega, pois não são dignos de ser realizado por estes. Percebe com isso que são trabalhos simples, realizado por escravos, onde este coloca-se ao serviço do outro, sem receber nada em troca.

Como o termo diaconia foi utilizado no Novo Testamento?
Este termo diakonia, será implantado e utilizado dentro dos escritos neotestamentários, demonstrando e referindo-se ao Cristo como “aquele que serve” (Lc 22,27). Sendo o Cristo Servidor, Ele torna-se, e É a fonte original para todo o serviço e a missão da Igreja. Por tanto, Jesus inaugura uma nova ordem relacional com o próximo, a ordem do serviço e ao mesmo tempo é a fonte ministerial para a Igreja.
Na última ceia, Jesus deixa o exemplo aos seus, quando lava os pés dos discípulos e pede para que estes sigam este gesto. No Evangelho de João percebe-se claramente a inauguração deste gesto:
Depois de lhes lavar os pés e de tomar suas vestes, sentou-se novamente a mesa e perguntou-lhes: “sabeis o que vos fiz? Vós me chamais Mestre e Senhor, e dizeis bem, porque eu o sou. Logo, se eu, Vosso Senhor e Mestre, vos laveis os pés, também vós devereis lavar-vos os pés uns dos outros. Deixei-vos o exemplo, para que, como eu vos fiz, assim façais também vós”. (Jo 13,12-15)

Qual o sentido concreto do termo diaconia?
Deste modo, o sentido do termo diakonia está intimamente relacionado com o gesto concreto e eficaz de Jesus na última ceia, quando lava os pés dos seus discípulos e pede para que estes também executem este gesto para com os seus semelhantes. Nesta ceia e com este gesto, Jesus executa o serviço de um escravo, embora na cultura judaica a escravidão não é claramente utilizada ou formalizada dentro da sociedade, porém, este serviço era executado por servos ou por pessoas extremamente consideradas como indignas. Assim demonstra aos seus, esta nova relação interpessoal, de servir e não ser servido, de “quem quiser tornar-se grande entre vós, seja o vosso servo” (Mc 10,43). Assim a palavra diakonia nos escritos do Novo Testamento, possui um linguajar rico, pois quer revelar o modo de ser e de relacionar-se com o próximo, colocando-se em uma postura de serviço e de caridade. As primeiras comunidades cristãs, viviam e expressavam este sentido relacional quando pela caridade, colocavam-se a serviço uns dos outros (cf Gl 5,13) e “Todos os fiéis viviam unidos e tinham tudo em comum. Vendiam suas propriedades e seus bens, e dividiam-nos por todos, segundo a necessidade de cada um.” (At 2, 44-45).
Era através da diaconia da administração dos bens que as comunidades cristãs colocavam-se ao serviço uns dos outros e testemunhavam a fé. A diaconia é vivida nas comunidades como consequência ao seguimento de Jesus, pois ele se fez servo “Todavia eu estou no meio de vós, como aquele que serve” (Lc 22,27). Esta é uma das maneiras de perceber esta expressão da palavra diakonia.

Qual o outro significado do termo diaconia no Novo Testamento?
Ao mesmo tempo a palavra diakonia, nos escritos neotestamentários é utilizada para caracterizar um ministério, o ministério dos diáconos. Sendo Jesus, a fonte de todos os ministérios dentro da Igreja, estes são a expressão do serviço ao Povo de Deus e ao mundo. Os diáconos são associados e configurados ao “Cristo Servidor”, Jesus demonstra e realiza com um gesto concreto e eficaz está dimensão ministerial do serviço, quando na última ceia Ele sendo Senhor coloca-se ao serviço dos seus, lavando os pés de cada um. “Tendo sua fonte no lava-pés, a diakonia nasceu com a Eucaristia. Como ministério instituído propriamente dito, a diakonía pertencia aos diáconos, criados ainda na primeira hora da Igreja, para o serviço do altar e dos pobres”.
Este serviço é realizado no amor e por amor, todo este gesto é condensado na cruz, pois o próprio Jesus disse: “Este é o meu mandamento: Amai-vos uns aos outros, como eu vós amo. Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a sua vida por seus amigos” ( Jo 15, 12). Assim na cruz, Jesus coloca sua vida como serviço e doação para toda a humanidade.

Qual o significado do termo diaconia nos Atos dos Apóstolos?
Este termo será utilizado no livro do Ato dos Apóstolos, para designar um oficio ou uma missão própria, onde escolherá “sete homens de boa reputação, cheios do Espírito Santo e de sabedoria, aos quais encarregaremos este ofício” (At 6, 3). O livro do Ato dos Apóstolos descreve:
Naqueles dias, como crescesse o número dos discípulos, houve queixas dos gregos contra os hebreus, porque as suas viúvas teriam sido negligenciadas na distribuição diária. Por isso os Doze convocaram uma reunião dos discípulos e disseram: “Não é razoável que abandonemos a palavra de Deus para administrar. Portanto, irmãos, escolhei dentre vós sete homens de boa reputação, cheios do Espírito Santo e de sabedoria, aos quais encarregaremos este oficio. Nós atenderemos sem cessar á oração e ao ministério da palavra. Este parecer agradou a toda a reunião.” (At 6,1-5)
Assim embora este texto não fale claramente sobre o termo diácono, como conhecemos atualmente como ministério ordenado, aparece apenas como um ofício a ser realizado por determinadas pessoas da comunidade ao serviço das viúvas que passavam necessidades materiais dentro da própria comunidade cristã, ofício este de serviço aos mais necessitados, de lavar os pés daqueles e daquelas que necessitam. Porém, a tradição e os documentos do Magistério da Igreja, situam neste texto a origem dos diáconos, embora não utilize tal palavra.

Qual a missão que o diaconado assume na Igreja?
Primeiramente, percebe-se a importância deste ministério no início da Igreja primitiva, pois o serviço da caridade, faz com que toda a comunidade cristã identifique-se como uma comunidade para o serviço do amor de Deus e do próximo. Estas comunidades partilhavam e tinham tudo em comum. Este ministério diaconal, com o passar dos tempos e com as mudanças das estruturas eclesiais sofrerá grandes mudanças, onde que do serviço da caridade será restruturada ao serviço do altar e dos sacramentos.
Esta estrutura eclesial e este ministério será somente resgatado e reeestruturado com o Concílio Ecumênico Vaticano II, quando a Igreja coloca-se em uma postura de diálogo e de serviço em prol do mundo moderno. Com isso o ministério diaconal se faz presente novamente dentro da Igreja.
O ministério dos diáconos permanentes está mais voltado para o serviço da caridade do que para o serviço do altar, que é um ministério ordenado para a missão “ad extra” para fora da Igreja do que para uma missão “ad intra” para dentro da própria estrutura da Igreja.
Contudo é no exercício deste ministério, que reforça a nova eclesiologia do Concílio Vaticano II, uma Igreja de diálogo e de serviço para com o mundo e a sociedade. Uma Igreja voltada para os mais pobres e excluídos.
Portanto na escuta atenta da Palavra de Deus, que este ministério dos diáconos deve ser exercido, pois é nesta escuta da Palavra que a ação e o serviço da caridade é gerado (diáconia), para então ser celebrada na vida da comunidade. Portanto a Igreja não pode descuidar do serviço da caridade, tal como não pode negligenciar a escuta da Palavra e o serviço do altar. Mas entre a ação e a celebração, primeiramente deve surgir a ação, o serviço da caridade o exercício da diáconia.
“Se vês a caridade, vês a Trindade” (Sto Agostinho, De Trinitate, VII, 8,12)